3.6.10

morte e existência de vida (...) *

Hoje em dia , para toda a humanidade , a morte , é um assunto ao qual todos “fogem” , todos têm medo e não desejam falar sobre ela , eu , gosto de falar sobre ela , o que não se torna muito normal para muita gente , mas é algo que me fascina .
Sempre tive curiosidade de saber e ver como nos transformámos , após mortos .
Mas  maioritariamente  para os humanos existe vida depois da morte , pois , com os costumes funerários , vão fazendo com que a pessoa falecida continue a sua vida , para eles a morte não é definitivamente o fim .  Por isso , ocupam o seu tempo a tratar das sepultura , das flores que lhes devem meter , das velas , tudo e mais alguma coisa , para eles , aquele ser ali morto , continua a sua vida , em outro lugar , mesmo que seja uma vida imaginária , a maior parte dos familiares do falecido tendem em ter cuidado , com as sepulturas , para fornecem ao morto alguns prazeres e para o satisfazerem as necessidade , mas em outro mundo .
Para os antropólogos os fantasmas tem sentimentos e carências , quer com os seus restos mortais , querem continuar as suas vidas , desejam ainda desfrutar dos sabores e dos aromas dos frutos , sentir o ar da praia , ouvir uma bela melodia , ter conforto com as suas roupas , da beleza , da protecção (…) Os fantasmas estão ligados aos seus próprios corpos até que , eles se decomponham , se tornem simplesmente em pedaços de ossos espalhados e a carne de desfaça  , e quando isso ocorreu eles libertam-se .
Sim , relativamente , o mundo é assombrado . Sim , vivemos rodeados de espíritos por toda a parte , que vagueiam pelas noites , recordando lugares , objectos , visitando quem deixaram , sentirem quem eram , chorando por terem partido e não aceitam isso , (…) *
Inúmeros seres  vivem atormentados , seres que não aceitam o fim desta vida . Antes de serem insatisfeitos com a morte , foram e são insatisfeitos com a vida : ou viveram mal , ou morreram mal ou ambas as coisas .
A “multidão” de fantasmas é formada por uma maioria de seres atormentados que não aceitam o “ter de se retirar” desta vida , o “partir” das suas vidas , o “deixar” a vida . Os fantasmas não pensam que “aquela vida” era apenas “uma vida” temporária , a verdadeira vida , não é a vida , mas sim , a EXISTÊNCIA .
Vivem incomodados , querem continuar com “aquela vida” , continuando a serem “aquela” pessoa , naquela situação (…) ! E aí sim , assombram a humanidade – porque são fantasmas e são fantasmas porque , assombram e tiram o sono dos mortais !
Afinal , fantasmas são , restos de memória , restos de amor , restos de sentimentos , restos de abraços , restos de beijos , restos de sensações , restos de emoções apaixonadas , são restos de existência , restos de vida (…) , e , na tal sepultura , ficam os restos , e a sombra entre os vivos . Fantasmas , não é preciso escutá-los , falar-lhes , ou servi-los  , porque é o direito de todos os vivos não serem incomodados pelas sombras destes fantasmas , que são os únicos e verdadeiros mortos .

Morte ? Sem data nem hora marcada , excepto se for suicídio . Vida ? É uma longa viagem , com altos e baixos , mas que acaba por terminar . Existência ? A verdadeira vida ! 

Obs : Este texto foi escrito por mim , 
para um trabalho de Filosofia , gostei
, por isso postei :b agradecia opiniões ,
 obrigado:D !

2 comentários:

benedita disse...

gostei.

A do giz disse...

Então o problema não está na medicina nacional mas sim no atendimento.

Mas, felizmente a exepção não faz a regra.

Beijinhos